Projeto Político Pedagógico

O Técnico do eixo tecnológico de Recursos Naturais, com habilitação em Aquicultura é o profissional com competências e habilidades para prestar serviços nas áreas de planejamento/gestão, produção de pescados de forma crítica, criativa, cooperativa e com consciência de seu papel social. Além disso, poderá atuar como auxiliar nas áreas de engenharia de aquicultura, biologia marinha, oceanografia entre outras. É um profissional que deverá possuir além do conhecimento técnico científico sistematizado adquirido, iniciativa e liderança para coordenar profissionais no desempenho das seguintes atividades ligadas a área de aquicultura: Ecologia e sensibilização ambiental; Controle da qualidade do pescado; Beneficiamento do pescado; Gestão de propriedades aquícolas; Navegação em águas protegidas; Projetos de exploração aquícola;
Pretende-se que esse profissional possa ainda: - Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam no planejamento e na produção aquícola, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas; - Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos; - Avaliar as características e propriedades das matérias primas correlacionando-as com seus fundamentos matemáticos, físicos e químicos para a aplicação nos processos de controle de qualidade; - Projetar melhorias nos sistemas convencionais de produção e nas instalações, propondo incorporação de novas tecnologias; - Trabalhar em empresas de exploração e desenvolvimento turístico.

Ver perfil do egresso.

O Técnico do eixo tecnológico de Recursos Naturais, com habilitação em Aquicultura é o profissional com competências e habilidades para prestar serviços nas áreas de planejamento/gestão, produção de pescados de forma crítica, criativa, cooperativa e com consciência de seu papel social. Além disso,poderá atuar como auxiliar nas áreas de engenharia de aquicultura, biologia marinha, oceanografia entre outras. É um profissional que deverá possuir além do conhecimento técnico científico sistematizado adquirido, iniciativa e liderança para coordenar profissionais no desempenho das seguintes atividades ligadas a área de aquicultura: Ecologia e sensibilização ambiental; Controle da qualidade do pescado; Beneficiamento do pescado; Gestão de propriedades aquícolas; Navegação em águas protegidas; Projetos de exploração aquícola; Pretende-se que esse profissional possa ainda: - Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam no planejamento e na produção aquícola, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas; - Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos; - Avaliar as características e propriedades das matérias primas correlacionando-as com seus fundamentos matemáticos, físicos e químicos para a aplicação nos processos de controle de qualidade; - Projetar melhorias nos sistemas convencionais de produção e nas instalações, propondo incorporação de novas tecnologias; - Trabalhar em empresas de exploração e desenvolvimento turístico.

Nas competências e habilidades estabelecidas para cada Módulo, observam-se as que são de caráter específico e as que são de caráter generalista, e desta forma, a metodologia deve contemplar maneiras de construção de ambas. A metodologia a ser empregada para a construção das competências será orientada pelo Módulo, agregando as bases tecnológicas estabelecidas. As estratégias pedagógicas desenvolvidas nos Módulos serão realizadas em diferentes ambientes e situações de aprendizagem, buscando a mobilização de conhecimentos e o desenvolvimento de habilidades motoras, cognitivas e afetivas, envolvendo estudos de caso, oficinas, palestras, problematização, seminários, visitas técnicas, entre outros, visando assim a inovação, a criatividade a busca da qualidade para a facilitação da aprendizagem, apropriando as metodologias apresentadas numa perspectiva contextualizada e intertemáticas. Assim no procedimento educativo não se admite a exclusão, mas sim a integração de alunos e professores tanto no relacionamento quanto na aquisição de conhecimentos, pois se não houver troca, não há como investigar, criar, questionar e crescer. É através da troca que se tem a dinâmica da produção de uma relação com o conhecimento que se dá através da invenção e da inovação. As competências e habilidades de caráter específico deverão ser desenvolvidas no decorrer do desenvolvimento do Módulo. A metodologia deverá estimular a constante busca de informações pelos alunos e os meios de acesso a essas informações deverão ser viabilizados pela Instituição.

Contato: Profa. Renata Costella Acauan

E-mail: renata.acauan@ifsc.edu.br

É na concepção de negociação que a avaliação da aprendizagem está inserida, revestindo esse processo avaliativo numa perspectiva de aprendizagem e não somente de mera atividade de testar ou medir elementos. A avaliação por competência encontra-se num contexto holístico, sendo sistemática e contínua na interação em que professor e aluno buscam essa concepção de negociação.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker3-srv2.appdocker3-inst203/08/2021 13:39