Projeto Político Pedagógico

Profissional cidadão que projeta, planeja, organiza, coordena, executa e avalia serviços de apoio técnico e logístico a eventos de diversas classificações e tipologias. Utiliza normas de cerimonial e protocolo. Opera as ferramentas de marketing e de divulgação. Executa procedimentos de recepção e encaminhamentos demandados por eventos. Coordena a decoração de ambientes e o armazenamento e manuseio de gêneros alimentícios servidos em eventos.
Empresas de eventos, meios de hospedagem, instituições públicas e privadas, cruzeiros marítimos, restaurantes, bufês e atividades autônomas.

a) Conceber e planejar Eventos de pequeno e médio porte com foco na sustentabilidade, na segurança, na qualidade dos alimentos e nos aspectos turísticos locais;
b) Promover e executar Eventos;
c) Comercializar serviços e produtos relativos aos Eventos;
d) Organizar e controlar a operacionalização dos serviços necessários à realização de Eventos considerando os aspectos socioambientais;
e) Planejar e executar o cerimonial de solenidades públicas e privadas;
f) Verificar o alcance de objetivos e metas propostas na organização de eventos de pequeno e médio porte;
g) Comunicar-se com fluência, clareza, cordialidade e desenvoltura usando a linguagem verbal e não verbal de forma adequada às situações comunicativas próprias dos espaços profissionais de Eventos;
h) Atuar de forma segura nas situações de urgência e emergência, como também, na prevenção de acidentes durante a operacionalização dos Eventos, considerando aspectos de saúde e segurança no ambiente de trabalho;
i) Desenvolver o planejamento financeiro, com ênfase na gestão de recursos para Eventos;
j) Aplicar os princípios da responsabilidade socioambiental
k) Conceber, planejar e operacionalizar os serviços em alimentos e bebidas para eventos de pequeno e médio porte.

O Curso Técnico em Eventos orienta-se pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e pelo Regimento Didático do IFSC. O Câmpus Florianópolis-Continente do IFSC desenvolverá uma política de formação permanente para os docentes. Isso possibilita a qualificação e a integração com o Projeto Pedagógico da Instituição. Serão realizadas reuniões periódicas com a participação da coordenação, do núcleo pedagógico e dos docentes, visando o acompanhamento, análise e avaliação do desenvolvimento do curso. O currículo elaborado por competências implica em ações pedagógicas que possibilitem ao estudante a construção de seu conhecimento. Além disso, o espaço constituído na instituição possibilita interação permanente entre discentes, docentes e demais servidores de modo que gere ações críticas, reflexivas e construtivas. O fazer pedagógico se efetiva por meio de atividades em sala de aula com aulas expositivo dialogadas, estudos dirigidos, apresentações, seminários, simulação de eventos, atividades práticas e desenvolvimento de projetos. Visitas técnicas/culturais pedagógicas, estudos de caso, levantamento de problemas e busca de soluções no entorno da Instituição são atividades que complementam e dinamizam o processo. As visitas técnicas são práticas voltadas ao aprimoramento e aprofundamento da formação profissional, auxiliando no aprendizado e aproximação ao contexto do curso. Nas unidades curriculares do curso, as visitas técnicas irão ocorrer de acordo com o agendamento e programação de cada professor responsável pela unidade curricular. As viagens técnicas, integrantes dos Projetos Integradores, e o desenvolvimento da prática de eventos são essenciais para a formação do Técnico em Eventos. Em dois momentos do curso poderão ocorrer viagens técnicas direcionadas para a análise e apropriação dos conhecimentos desenvolvidos nas unidades curriculares. Nas duas fases do Curso há uma Unidade Curricular denominada Projeto Integrador (1 – Fundamentos de Eventos; 2 - Planejamento e Execução de Eventos), ambas com 80 horas de carga horária, cujo objetivo é conhecer os fundamentos, o planejamento e a execução de eventos, promovendo o contato com as Instituições da área, empresas, profissionais e serviços para eventos. Neste sentido estão previstas, nas UCs de PI, a realização de visitas técnicas a espaços, empresas, instituições e fornecedores da área. Os professores das UC de PI serão os responsáveis pelo planejamento e execução das viagens técnicas. As viagens técnicas terão função similar a um Laboratório de Eventos, em que o aluno pode analisar na prática a execução das atividades aprendidas em sala. A metodologia das viagens técnicas pretende contemplar: - Descrição das atividades: Buscar-se-á uma cidade sede de um evento de projeção nacional, onde haja possibilidade de acompanhar, através da observação e do contato com os organizadores, vários aspectos relacionados ao planejamento, a organização e a execução de eventos, além de conceitos e conteúdos trabalhados em outras unidades do módulo. Além da visitação ao evento, a cidade escolhida deve possibilitar a ampliação de conhecimentos relacionados à área, por meio de palestras e visitas às empresas ou a espaços para eventos. - Objetivos: Possibilitar a ampliação de conhecimentos nas diversas áreas de eventos, contribuindo com aspectos educacionais e de cidadania, os quais englobam enfoques multidisciplinares. Proporcionar aos alunos a vivência de eventos de qualidade, além do contato com organizadores e fornece- dores. Promover a aprendizagem de forma contextualizada. - Avaliação: Elaboração de relatório alusivo as visitas realizadas durante a viagem que, opcionalmente, poderão ser transformados em artigos, destinados a elaboração de estudos ou a publicações. Destaca-se igualmente a inclusão dos Projetos Integradores nos módulos 1 e 2 do Curso Técnico em Eventos. Estas unidades curriculares, ministrada por dois professores, são voltadas para a metodologia de trabalho por projetos, articuladora das unidades curriculares, que convergem para a escolha de um tema. Seu objetivo é possibilitar ao estudante a articulação e integração dos conhecimentos na elaboração de um projeto final. É um momento favorável de integrar conhecimentos adquiridos em cada umas das unidades curriculares cursadas. Para viabilizar o desenvolvimento das atividades do Projeto Integrador e para a prática de atividades correlatas à um Laboratório de Eventos é necessário que os estudantes tenham contato real com o processo de organização, operacionalização e avaliação dos eventos. Assim está previsto no orçamento do Câmpus um valor previamente estabelecido, que será destinado as unidades curriculares de PI, para a aquisição de produtos e contratação de serviços que possibilitarão a viabilidade de um evento em cada módulo do PI (fase 1 e fase 2). Em relação a prática profissional em eventos, o IFSC Câmpus Florianópolis-Continente define, como norma interna, que o estudante deverá integralizar a carga horária de 40 horas de atividades de atuação como staff, participação ou visitação em eventos. Para garantir que o estudante tenha vivência na área, o mesmo deverá, obrigatoriamente, integralizar a carga horária de 40 horas de práticas profissionais em Eventos, orientados por professor da área. Para tanto, a carga horária deverá contemplar: • Atuação como Staff – 20h: Auxiliar as diversas comissões, em diferentes eventos, sendo que serão consideradas até 4 horas por evento. Portanto o aluno deverá participar de pelo menos 05 eventos; • Participação em eventos – 10h: Participar de evento, especialmente técnico-científicos, com temáticas alusivas que ampliem conhecimentos relacionados à área de Eventos, sendo que serão consideradas até 3,5 horas por evento. O aluno deverá participar de pelo menos 03 eventos; • Visitação em eventos – 10h: Realizar visitação em feiras, atividades culturais, esportivas, técnicas, entre outras. Serão consideradas 2h por evento, sendo necessário participar de pelo menos 5 eventos diferentes. A integralização da carga horária deverá ser cumprida conforme cronograma da Unidade Curricular, indicada no início do semestre. A realização das atividades será comprovada por meio da entrega de um relatório (conforme modelo adotado na instituição) e de documentação comprobatória da integralização das horas. A Unidade Curricular será ministrada por dois professores da área, que atuarão na orientação dos discentes, durante o semestre de sua oferta. A orientações serão realizadas em grupos e/ou individualmente, conforme horários previamente programados para atividade.

Chefe DEPE: Jane Parisenti, janeparisenti@ifsc.edu.br; (48) 3877-8430

Contato: Profa. Dra. Ení Maria Ranzan, eni.maria@ifsc.edu.br; (48) 3877-8417

Coordenador do curso: Profa. Dra. Jane Petry da Rosa, jane.petry@ifsc.edu.br; (48) 3877-8417


A avaliação como ato diagnóstico e como processo contínuo tem por objetivo a inclusão, subsidiando ações que viabilizem tanto o domínio técnico como o domínio dos demais aspectos relevantes à formação do cidadão. Serve para indicar avanços e dificuldades na ação educativa, devendo subsidiar a reflexão da prática pedagógica.
De acordo com o exposto na Resolução 041/2014/CONSUP, que dispõe sobre o Regimento Didático Pedagógico (RDP), os instrumentos de avaliação serão diversificados e deverão constar no plano de ensino do componente curricular, sempre estimulando o aluno à pesquisa, reflexão, iniciativa, criatividade, laboralidade e cidadania.
Entre os princípios considerados pela Instituição, e em consonância com o Regimento Didático Pedagógico (RDP) do IFSC, a avaliação prima pelo caráter diagnóstico e formativo, devendo ser processual, somativa, continuada e diversificada, consistindo em um conjunto de ações que permitam recolher dados, visando à análise da constituição das competências por parte do aluno, previstas no plano de curso.
O processo avaliativo integra o conjunto de conhecimentos e habilidades, conforme descrito nas matrizes curriculares, e de atitudes gerais, conforme descrito:
• Postura ética e crítica em relação aos temas e conteúdos abordados;
• Assiduidade e pontualidade nas aulas;
• Participação nas aulas e empenho nas atividades propostas;
• Iniciativa, comprometimento, criatividade e organização;
• Trabalhos em grupos, compartilhamento de responsabilidades e respeito às diferenças;
• Respeito à comunidade acadêmica e zelo pelo patrimônio escolar.
São consideradas funções primordiais da avaliação:
• Obter evidências sobre o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes,
visando a tomada de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino-aprendizagem e a progressão do aluno para o semestre seguinte;
• Analisar a consonância do trabalho pedagógico com as finalidades educativas previstas no Projeto Pedagógico do Curso.
• Estabelecer previamente, por unidade curricular, critérios que permitam visualizar os avanços e as dificuldades dos alunos na constituição das competências.
Os critérios servirão de referência para o aluno avaliar sua trajetória e para que o professor tenha indicativos que sustentem tomadas de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino e aprendizagem e a progressão dos alunos. Os registros das avaliações são feitos de acordo com o estabelecido no RDP.
O registro, para fins de documentos acadêmicos, será efetivado ao final de cada semestre letivo, apontando a situação do aluno no que se refere à constituição de competências, em diário de classe e no sistema acadêmico, conforme nomenclatura prevista no RDP.
A partir da avaliação efetuada pelo professor, serão realizadas avaliações coletivas em reuniões que terão o caráter de avaliação integral do processo didático-pedagógico em desenvolvimento no Componente
Curricular. As avaliações coletivas envolverão os professores e os profissionais do núcleo pedagógico.
Esses encontros serão realizados, pelo menos, em dois momentos institucionalizados como os Conselhos de Classe Intermediário (na metade do semestre), e Conselho de Classe Final (no encerramento do semestre).
As atividades de avaliação acontecerão durante todo o processo de ensino-aprendizagem, valorizando o crescimento do aluno qualitativa e quantitativamente, com a previsão de recuperação paralela de conteúdos e avaliações ao longo do semestre.
A recuperação de estudos deverá compreender a realização de novas atividades pedagógicas no decorrer do período letivo, que possam promover a aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das competências. Ao final dos estudos de recuperação o aluno será submetido à avaliação, cujo resultado será registrado pelo professor.
Para a aprovação o aluno deverá atingir, no mínimo, 75% de frequência em cada Unidade Curricular e nota mínima para aprovação 6,0 (seis).

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker4-srv1.appdocker4-inst103/08/2021 13:02