Projeto Político Pedagógico

O técnico em administração é um profissional cidadão apto para executar atividades administrativas em organizações dos mais diversos setores, contribuindo para os resultados das áreas de pessoal, produção e logística, materiais, finanças e marketing, com capacidade para auxiliar nos processos decisórios para a melhoria da qualidade e produtividade organizacional, em consonância com os princípios éticos, sociais, ambientais e humanos.

O egresso poderá atuar em organizações públicas e privadas nas áreas administrativas de:

● Finanças: contas a pagar, contas a receber, caixa, bancos e custos;

● Pessoal: recrutamento, seleção, folha de pagamento e benefícios;

● Marketing: apoio no planejamento da comunicação, atendimento ao cliente e vendas;

● Compras: negociação, estoques, almoxarifado e movimentação de materiais;

● Produção e logística: planejamento de produção, qualidade e sustentabilidade;

● Assessoria e suporte técnico aos processos decisórios, por meio da elaboração de relatórios.

Ainda de acordo com a classificação Brasileira de Ocupações 3513, os técnicos em administração “...controlam rotina administrativa. Realizam atividades em recursos humanos e intermediam mão de obra para colocação e recolação. Atuam na área de compras e assessoram a área de vendas. Intercambiam mercadorias e serviços e executam atividades nas áreas fiscal e financeira.” O curso também tem enfoque na formação empreendedora. O aluno formado poderá utilizar os conhecimentos e habilidades adquiridas para abrir o seu próprio negócio.

a) Aplicar os conhecimentos científico-tecnológicos, para explicar o funcionamento do mundo e dos processos históricos, sociais e econômicos, planejando, executando e avaliando ações de intervenção na realidade;

b) Analisar as relações de sociedade-trabalho a partir dos diversos modos de produzir e organizar da experiência humana no tempo;

c) Conhecer as formas contemporâneas de linguagem, com vistas ao exercício da cidadania e do trabalho, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;

d) Ler, articular e interpretar símbolos e códigos em diferentes linguagens e representações, estabelecendo estratégias de solução e integrando os conhecimentos das várias ciências e outros campos do saber;

e) Dominar os sistemas linguísticos (português, espanhol e inglês), relacionando gêneros textuais às condições discursivas da área de Administração;

f) Perceber a atividade empreendedora como potencial para o desenvolvimento regional e como alternativa profissional da área;

g) Adotar uma postura profissional baseada no trabalho coletivo, no respeito à diversidade, na ética, na economia de recursos e na minimização dos impactos socioambientais;

h) Executar, controlar e avaliar os procedimentos administrativos das áreas de pessoal, financeira, de marketing, finanças, de logística e de qualidade, de acordo com os princípios de administração de organizações;

i) Utilizar softwares de automação de escritórios (processador de texto, planilha de cálculo e software de apresentação) para a execução de rotinas administrativas;

j) Planejar a criação de novos empreendimentos, com visão empreendedora, ética e responsabilidade socioambiental, contribuindo para o desenvolvimento regional;

k) Analisar o ambiente organizacional, com visão sistêmica do empreendimento;

l) Revelar atitude criativa e empreendedora frente aos processos de gestão, seja no desenvolvimento de negócio próprio ou na atuação em organizações já existentes visando a inovação e/ou melhoria de suas operações e resultados;

m) Empregar conceitos de matemática básica, efetuar operações de matemática financeira, utilizar tecnologias da informação e aplicar métodos estatísticos básicos, visando dar suporte na execução de rotinas operacionais, bem como auxiliar na tomada de decisões gerenciais.

n) Aplicar métodos estatísticos básicos e interpretar seus resultados, visando dar suporte na execução de rotinas operacionais, bem como auxiliar nos processos decisórios.

O Curso Técnico em Administração, concomitante ao Ensino Médio, orienta-se pelo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do IFSC, pelas diretrizes curriculares nacionais para os cursos técnicos de nível médio. O currículo elaborado visa à formação profissional, por meio de ações pedagógicas que possibilitem ao aluno a construção de seu conhecimento. O fazer pedagógico se dá através de atividades em sala de aula com aulas expositivo- -dialogadas, visitas técnicas, aulas práticas, estudos dirigidos, apresentações, seminários e desenvolvimento de projetos, e atividades integradoras que também poderão ser realizadas e 32 acompanhadas pela equipe da Coordenadoria Pedagógica. As visitas culturais pedagógicas, estudos de caso, levantamento de problemas e busca de soluções no entorno da instituição também serão atividades que complementarão e dinamizarão o processo de ensinoaprendizagem.

35.1 Visitas Técnicas

Durante o desenvolvimento do curso, as visitas técnicas ocorrem de acordo com o agendamento e a programação de cada professor e de acordo com o conhecimento trabalhado nas unidades curriculares/disciplinas. Como ferramenta de uma formação completa, as visitas ocorrem nos principais estabelecimentos da região e, se necessário for, em outras regiões do Estado.

35.2 Aulas práticas

Com base na ideia que o Curso Técnico em Administração se firma no desenvolvimento das habilidades (do tripé conhecimentos, habilidades e atitudes), do aprender a fazer fazendo, sendo esse pressuposto anterior à apropriação dos conhecimentos, as aulas práticas são fundamentais nesse curso. Desse modo, a maioria das unidades curriculares/disciplinas técnicas conta com aulas eminentemente práticas em laboratórios situados nas instituições envolvidas. Essas aulas são focadas no desenvolvimento e uso dos protocolos em questão e no funcionamento do equipamento usado, o que leva o aluno a estabelecer relações mais claras entre a teoria e a prática (aplicabilidade) desenvolvida na sua área profissional.

35.3 Projeto Integrador e Atividade Integradora

O Projeto Integrador estará presente no curso Técnico em Administração. Essa Unidade Curricular, voltada para a metodologia de trabalho por projetos e pautada pela interdisciplinariedade, será desenvolvida no último semestre e levará em conta os principais conhecimentos adquiridos durante o curso. Através do Projeto Integrador, busca-se a aplicação dos conhecimentos teóricos e práticos da área profissional, tendo como ponto de partida para essa reflexão a realidade local. A temática central estará voltada ao empreendedorismo, sendo que o escopo do projeto será construído pelo corpo docente do curso. A unidade curricular poderá ter a presença de mais de um professor em sala de aula, visando promover uma maior integração entre os saberes e também dar suporte aos alunos na construção dos conhecimentos e práticas. A avaliação desta unidade será diagnóstica e processual, realizando acompanhamentos intermediários pontuais do progresso dos estudantes e dos seus respectivos projetos. Importante também será o registro das produções efetuadas, de modo a se criar uma base de conhecimentos sobre os tipos de projetos desenvolvidos ao longo das várias edições e os resultados alcançados. As atividades integradoras também se constituirão uma prática promovedora da integração curricular que poderão ocorrer a partir de saídas técnicas, atividades de campo e de pesquisa, participação da turma em eventos ou ações de extensão, que agreguem diferentes áreas do conhecimento. Para tanto, em cada semestre será construído coletivamente, pelo respectivo corpo docente, uma atividade em comum que promoverá o entrelaçamento dos saberes, de modo que o aluno tenha a percepção da contribuição de cada unidade curricular para a reflexão crítica e resolução dos problemas e compreensão dos fenômenos do seu meio. A construção da atividade e a avaliação será definida pelo corpo docente, sendo que os assuntos serão trabalhados em cada unidade curricular. A avaliação da atividade também deverá acontecer coletivamente entre os docentes participantes.

35.4 Palestras

Como forma de valorizar o saber prático, todas as unidades curriculares têm, em sua grade de programação, palestras com profissional da área. A experiência profissional do palestrante proporciona ao aluno uma visão mais ampla da realidade onde deseja se inserir profissionalmente.

35.5 Pesquisa e Extensão

Ao longo do Curso Técnico em Administração pretende-se desenvolver projetos de pesquisa e extensão que buscam incentivar uma postura investigativa nos estudantes e também uma integração do curso e seus estudantes com a comunidade.

35.6 Reuniões de Docentes e com os Pais

Com vistas à integração do trabalho e a própria interdisciplinariedade estão previstas a realização de reuniões com a equipe de professores do curso, Coordenadoria do Curso e Coordenadoria Pedagógica. Também será realizada, pelo menos uma reunião semestral com os pais e/ou responsáveis pelos estudantes, com o intuito de obter maior participação da família na vida escolar do estudante.

Chefe DEPE: André Luiz Silva de Moraes (andre.moraes@ifsc.edu.br) Fone: 3254-7330

Nome do Coordenador do curso: Fabiana de Agapito Kangerski (fabiana.agapito@ifsc.edu.br) Fone: 3254-7372 

Avaliação da aprendizagem:

As avaliações do Curso Técnico em Administração acontecem em cada componente unidade curricular sendo organizadas pelo professor responsável. Serão seguidas as orientações dispostas no Regulamento Didático-Pedagógico (RDP), aprovado pela resolução n° 41, de 20 de novembro de 2014. Conforme o art. 96 do Regulamento Didático-Pedagógico, a avaliação da aprendizagem terá como parâmetros os princípios do PPI e o perfil de conclusão do curso definido no PPC. A avaliação dos aspectos qualitativos compreende o diagnóstico, a orientação e a reorientação do processo de ensino e aprendizagem visando à construção dos conhecimentos.

Os principais instrumentos que serão utilizados para avaliação de aprendizagem serão:

a) observação diária do aluno, considerando também suas atitudes; b) trabalhos de pesquisa individual ou coletiva; c) testes e provas escritos, com ou sem consulta; d) resoluções de exercícios; e) planejamento e elaboração de projetos; f) relatórios referentes aos trabalhos e visitas técnicas; g) realização de eventos ou atividades abertas à comunidade; h) autoavaliação descritiva e avaliação pelos colegas da classe; i) entrevistas;  j) realização de trabalho práticos; k) demais instrumentos que a prática pedagógica indicar.

As avaliações serão registradas no diário de classe, sendo analisadas conjuntamente com os alunos e devolvidas aos mesmos, no prazo máximo de 15 (quinze) dias letivos após sua aplicação.

Para o IFSC, a organização das avaliações deve considerar os seguintes princípios:

a) A avaliação como processo diagnóstico, processual, formativo, somativo, continuado e diversificado. São considerados critérios como: (1) assiduidade, (2) realização das tarefas, (3) participação nas aulas, (4) avaliação escrita individual, (5) trabalhos em grupos e (6) colaboração e cooperação com colegas e professores.

b) A avaliação se dá durante todos os momentos do processo ensino-aprendizagem, valorizando o crescimento do aluno qualitativo e quantitativamente.

c) A avaliação dirige-se à análise das habilidades, atitudes e conhecimentos por parte do aluno, previstas no plano de curso. Sua função primordial é: (1) obter evidências sobre o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, visando a tomada de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino e aprendizagem e/ou a progressão do aluno para o ano seguinte, (2) analisar a consonância do trabalho pedagógico com as finalidades educativas previstas no Projeto Pedagógico do Curso e (3) estabelecer previamente, por unidade curricular/disciplina, critérios que permitam visualizar os avanços e as dificuldades dos alunos.

d) Os critérios servem de referência para o aluno avaliar sua trajetória e para que o professor tenha indicativos que sustentem tomadas de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino e aprendizagem, do monitoramento pedagógico e da progressão dos alunos.

Os registros das avaliações são feitos através de nota. Em consonância com o art. 102 do RDP o resultado da avaliação final será registrado por valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez). O resultado mínimo para aprovação em um componente curricular é 6 (seis). Ao aluno que comparecer a menos de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária estabelecida no PPC para o componente curricular será atribuído o resultado 0 (zero).

O controle da frequência às aulas será de responsabilidade do professor de cada componente curricular, sob a supervisão da Coordenadoria de Curso. O registro de cada componente curricular será realizado pelo professor no diário de classe na forma de valores inteiros de 1 (um) a 10 (dez), sendo que o professor tem liberdade de atribuir valores fracionados de 0 a 10 nas avaliações parciais. A decisão do resultado final, pelo professor, dependerá da análise do conjunto de avaliações, suas ponderações e as discussões do conselho de classe final.

O conselho de classe, enquanto instância diagnóstica e deliberativa sobre a avaliação do processo ensino-aprendizagem, conforme art.103 do RDP, será organizado pela Coordenadoria do Curso com a Coordenadoria Pedagógica, sendo que será obrigatória a presença dos professores do Curso. Será elaborada uma ata dos temas e deliberações da reunião para registro oficial, anexada a lista de assinatura dos participantes. A decisão do conselho de classe é soberana sobre as decisões educativas individuais, devendo-se sempre buscar o consenso, confirmando sua legitimidade. Os representantes de turma, orientados pela Coordenadoria de Curso em parceria com a Coordenadoria Pedagógica, realizarão uma avaliação com a turma, a fim de identificarem as questões educativas a serem levadas ao conselho de classe, contribuindo para a avaliação de todo o processo ensino-aprendizagem. As discussões e deliberações sobre questões relativas aos desempenhos individuais não deverão contar com a presença dos alunos, garantindo assim a discrição necessária à vida acadêmica discente. De acordo com a demanda e análise da Coordenadoria de Curso em articulação com a Coordenadoria Pedagógica, poderão ser criadas turmas especiais, inclusive em turno diferente da oferta do curso, principalmente para atender os alunos reprovados, matriculados em cursos com 31 suspensão de oferta de vagas ou curso com extinção de oferta. Quando houver menos de 5 (cinco) alunos para formação de turmas especiais, poderão ser elaborados planos de estudos cumpridos ao longo do semestre, a critério da Coordenadoria de Curso, com orientação de um professor, em período de atendimento específico, desde que respeite o mínimo de 25% da carga horária presencial do componente curricular (Art. 52 RDP). De acordo com o Art. 51 do RDP, o aluno terá o dobro do período de integralização previsto no PPC para cumprir os requisitos de certificação de seu curso, sob pena de cancelamento da matrícula por expiração de prazo máximo de integralização. Para a validação de unidades curriculares e processos de transferência serão aplicadas as instruções que constam no RDP.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker2-srv2.appdocker2-inst211/04/2021 01:14