Projeto Político Pedagógico

Projeta, instala, opera e mantém elementos do sistema elétrico de potência. Elabora e desenvolve projetos de instalações elétricas industriais, prediais e residenciais e de infraestrutura para sistemas de telecomunicações em edificações. Planeja e executa instalação e manutenção de equipamentos e instalações elétricas. Aplica medidas para o uso eficiente da energia elétrica e de fontes energéticas alternativas. Projeta e instala sistemas de acionamentos elétricos e sistemas de automação industrial. Executa procedimentos de controle de qualidade e gestão (Técnico em Eletrotécnica: Catalogo Nacional de Cursos Técnicos - acesso em agosto de 2017).

Empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Empresas que atuam na instalação, manutenção, comercialização e utilização de equipamentos e sistemas elétricos. Grupos de pesquisa que desenvolvam projetos na área de sistemas elétricos. Laboratórios de controle de qualidade, calibração e manutenção. Indústrias de fabricação de máquinas, componentes e equipamentos elétricos. Concessionárias e prestadores de serviços de telecomunicações. Indústrias de transformação e extrativa em geral (Classificação Brasileira de Ocupações em http://www.mtecbo.gov.br – acesso em agosto de 2017).

As competências do egresso, baseadas nas atribuições do técnico definidas no decreto 90.922, de 6 de fevereiro de 1985, são as seguintes: - Executar, fiscalizar, orientar e coordenar diretamente serviços de manutenção e reparo de equipamentos, instalações e arquivos técnicos específicos, bem como conduzir e treinar as respectivas equipes;

- Dar assistência técnica na compra, venda e utilização de equipamentos e materiais especializados, assessorando, padronizando, mensurando e orçando; - Responsabilizar-se pela elaboração e execução de projetos compatíveis com a eletrotécnica; - Executar e conduzir a execução técnica de trabalhos profissionais, bem como orientar e coordenar equipes de execução de instalações, montagens, operação, reparos ou manutenção de máquinas e equipamentos eletroeletrônicos; - Prestar assistência técnica e assessoria no estudo de viabilidade e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas, ou nos trabalhos de vistoria, perícia, avaliação, arbitramento e consultoria, exercendo, dentre outras, as seguintes atividades:

1) coleta de dados de natureza técnica;

2) desenho de detalhes e da representação gráfica de cálculos;

3) elaboração de orçamento de materiais e equipamentos, instalações e mão de obra;

4) detalhamento de programas de trabalho, observando normas técnicas e de segurança;

5) aplicação de normas técnicas concernentes aos respectivos processos de trabalho;

6) execução de ensaios de rotina, registrando observações relativas ao controle de qualidade dos materiais, peças e conjuntos;

7) regulagem de máquinas, aparelhos e instrumentos técnicos.

- Ministrar disciplinas técnicas de sua especialidade, constantes dos currículos do ensino fundamental e médio (de acordo com a LDB de 1996), desde que possua formação específica, incluída a pedagógica, para o exercício do magistério nesses dois níveis de ensino;

- Projetar e dirigir instalações elétricas com demanda de energia de até 800 kVA, bem como exercer a atividade de desenhista em eletrotécnica.

As competências acima serão desenvolvidas levando em consideração as atualizações das normas regulamentadoras da área de atuação e a evolução das tecnologias.

A metodologia de ensino do curso pretende facilitar o desenvolvimento das competências profissionais tecnológicas gerais (relacionadas ao perfil do egresso). Nas diversas unidades curriculares a metodologia abrange aulas expositivas e dialogadas, elaboração de trabalhos, seminários, estudos de casos, visita a empresas e outras atividades visando oferecer experiências pedagógicas e científicas diversificadas aos discentes. As unidades curriculares do curso foram concebidas de forma a desenvolverem de modo articulado as competências profissionais tecnológicas e a compreensão dos impactos sociais, econômicos e ambientais resultantes da produção, gestão e incorporação de novas tecnologias. Os conteúdos necessários ao desenvolvimento das competências profissionais se entrecruzam de forma transversal nas diversas unidades curriculares. A inter-relação das unidades curriculares é discutida entre a coordenação de curso e o corpo docente no período de planejamento que antecede o início de cada semestre letivo e retomada, sempre que necessária, em reuniões pedagógicas, participação em projetos de pesquisa, conselhos de classe, colegiado do departamento ou atividades extraordinárias. A interdisciplinaridade no curso visa não apenas a integralização das competências profissionais tecnológicas, mas também a formação do cidadão ativo e crítico em relação à interferência do processo tecnológico/industrial na sociedade.

Responsável: Prof. Roberto de Mattos Soldi
E-mail:roberto.soldi@ifsc.edu.br
Telefone: (48)3211-6120
Titulação: Mestre
Formação Acadêmica: Engenheiro Eletricista
Regime de trabalho: 40h DE

A avaliação da aprendizagem é efetuada conforme a(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s) e tem por objetivo diagnosticar e incluir o educando, pelos mais variados meios. Deverá ocorrer durante todo o processo, acompanhando a obtenção dos conhecimentos requeridos e o desenvolvimento de atitudes para o exercício da profissão. O processo de avaliação do ensino-aprendizagem é realizado por meio de diferentes ferramentas de acompanhamento de apropriação do aprendizado, pela observação das atividades individuais e em grupo, exercícios orais e escritos, avaliações escritas com e sem consulta ao material de apoio, atividades de pesquisa, seminários, desenvolvimento de artigos, atividades práticas, visitas técnicas, elaboração de relatórios, dentre outras. A metodologia de avaliação aplicada a cada unidade curricular é aberta, atendendo às especificidades da unidade e à vivência de cada docente, devendo estar definida no plano de ensino de cada unidade curricular. Ao final da unidade curricular, o educando é considerado APROVADO, caso obtenha nota superior ou igual a seis e frequência igual ou superior a 75%, ou REPROVADO, caso obtenha nota inferior a seis ou frequência inferior a 75%, respeitando-se os critérios dispostos na(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s). O educando considerado reprovado em uma unidade curricular não poderá ingressar nas seguintes que a tiverem como pré-requisito. Durante o processo de avaliação, o educando que se sentir prejudicado com a nota recebida em uma determinada avaliação poderá recorrer, conforme previsto na(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s). No decorrer do processo de aprendizagem, os educandos que demonstrarem dificuldades na obtenção dos conhecimentos terão direito à recuperação, conforme previsto na(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s). O conselho de classe é uma instância para o diagnóstico sobre a avaliação do processo de ensinoaprendizagem e deve ser realizado conforme previsto na(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s). A avaliação do processo é efetuada conjuntamente entre representantes da classe discente, docentes das unidades curriculares e coordenadoria pedagógica, para a apuração das dificuldades institucionais e didático-pedagógicas que recaem sobre discentes, docentes e técnicos administrativos e para proposições de melhorias do processo. O aproveitamento de conhecimentos e experiências anteriores, no que diz respeito à validação de unidades curriculares realizadas em outras instituições ou mesmo em outros cursos do IFSC, far-se-á de acordo com as normas estabelecidas em conformidade com a(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s). As atividades de registro das avaliações, os prazos e o controle da frequência serão realizadas conforme a(s) regulamentação(ões) pedagógica(s) vigente(s).

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker4-srv1.appdocker4-inst113/08/2020 08:22