Projeto Político Pedagógico

O objetivo específico é formar técnicos de nível médio em edificações com o seguinte perfil
profissional:
Planeja, projeta e executa edificações conforme normas técnicas e de acordo com
legislação específica. Elabora orçamento de obras. Auxilia na assistência técnica no estudo e
desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas na área de edificações. Orienta e coordena
a execução de serviços de manutenção dos equipamentos e das instalações em edificações.
Orienta a compra, venda e utilização de produtos e equipamentos utilizados na construção civil.

Técnico em Edificações detém conhecimentos científicos e tecnológicos que lhe permite
atuar na operacionalização das atividades relacionadas à construção civil, de acordo com a
legislação vigente. Auxilia e executa o planejamento, o acompanhamento, a orientação técnica em
todas as etapas do processo de construção.
O campo de atuação da habilitação em Técnico de Edificações possibilita atuar na
indústria da construção civil, compreendendo empresas de projeto, estabelecimentos de ensino,
prefeituras e órgãos governamentais, setor de manutenção de todos os tipos de indústrias, como
profissional liberal ou pequeno empresário na área de desenho, topografia, instalações e
acompanhamento de obras.
O Técnico em Edificações exerce sua profissão em escritório ou em campo, no contexto
profissional da engenharia civil e da arquitetura, com competência para realizar tarefas
relacionadas ao planejamento, projeto, controle, execução e manutenção de edificações.
Desenvolve atividades individuais ou em grupo, conduzindo equipes, atuando com ética,
responsabilidade, espírito inovador e empreendedor, com compromisso social e profissional.

As competências gerais do egresso são:
● C1: Elabora, desenha, detalha e interpreta projetos de construções prediais, conforme
legislação específica;
● C2: Executa obras e realiza manutenções e reformas de edificações conforme legislação
específica;
● C3: Executa ensaios de laboratório e controle de qualidade de materiais da construção civil
e solos;
● C4: Planeja e orienta a implantação do canteiro de obra e a locação da edificação;
● C5: Implementa na obra os programas de segurança e higiene do trabalho;
● C6: Fiscaliza, vistoria e presta assistência na execução dos trabalhos da construção civil e
executa mensurações;
● C7: Organiza e controla o fluxo de materiais, equipamentos e ferramentas;
● C8: Realiza apontamento de diário de obra, dimensionamento de equipes, medição de
execução de serviço;
● C9: Implementa e controla a destinação adequada dos resíduos da construção civil;
● C10: Elabora planejamento e orçamento de obras.

Na perspectiva de identificar a prática pedagógica dentro de princípios norteadores de uma ação
educativa pautada na responsabilidade de formar cidadãos críticos e conscientes do seu papel na
sociedade, partimos do entendimento segundo GRINSPUN (1999), “que a fundamentação básica da
educação tecnológica, resume-se no saber-fazer, saber-pensar e criar, que não se esgota na transmissão
de conhecimentos, mas inicia-se na busca da construção de conhecimentos que possibilite transformar e
superar o conhecido e ensinado” (...).
Sob essa ótica e na perspectiva do fazer pedagógico da educação profissional, pautada na
concepção curricular da construção de competências, centrada na aprendizagem, destacam-se as linhas
norteadoras deste Plano de Curso no que diz respeito à metodologia:
A intervenção pedagógica será estruturada com base no desenvolvimento de competências,
habilidades e atitudes, tendo como pressupostos: o trabalho como princípio educativo; a indissociabilidade
entre ensino, pesquisa e extensão e entre teoria e prática; a articulação entre ciência, tecnologia e
sociedade aprender a aprender, a contextualização, a pesquisa, a problematização, a aprendizagem
significativa, a interdisciplinaridade, e a autonomia;
O papel do professor consistirá em mediar, facilitar, o ensino e a aprendizagem, a partir de ações
planejadas, com objetivo de propiciar o exercício contínuo e contextualizado dos processos de mobilização,
articulação, reelaboração e aplicação do conhecimento;
Os recursos didáticos serão constituídos a partir dos componentes curriculares e dos eixos
temáticos, na perspectiva de criar situações de aprendizagem, nas quais o aluno participe ativamente na
construção das suas competências e habilidades;
A avaliação será processual e diagnóstica, acompanhando o desempenho do aluno na constituição
das competências e habilidades requeridas para o exercício profissional, numa constante prática de ação –
reflexão – ação de todos os elementos envolvidos no processo ensino aprendizagem.
Ao longo do curso pretende-se que o aluno desenvolva capacidade cognitiva, a cidadania e
conhecimento tecnológico, elementos essenciais na constituição das competências para o exercício
profissional.
Os conteúdos dos componentes curriculares serão desenvolvidos de forma integrada, de modo que
haja uma contextualização do conhecimento adquirido. Por exemplo: na disciplina de Projeto Arquitetônico,
o aluno deverá até o final do semestre, elaborar o projeto arquitetônico de uma residência, a qual servirá de
objeto para o desenvolvimento do projeto hidrossanitário, do projeto elétrico, do orçamento, nos respectivos
componentes curriculares.
Desta forma no último semestre terão a disciplina do Projeto Integrador como componente curricular
capaz de avaliar a formação de competências que dificilmente poderiam ser desenvolvidas e avaliadas
isoladamente pelas componentes curriculares. As atividades práticas propostas pelos projetos integradores
simularão, em muitos aspectos, as situações de trabalho rotineiras do técnico, desafiando o aluno a aplicar
habilidades e conhecimentos trabalhados em diferentes componentes curriculares. Para o último semestre
será desenvolvido um projeto que será validado como trabalho de conclusão de curso. Este projeto deverá
ser orientado por um professor e defendido como trabalho final de curso.
O currículo proposto para o curso integrado prevê o trabalho interdisciplinar por meio de ações e/ou
projetos quanto aos temas transversais propostos pela atual legislação educacional brasileira, a saber:
direitos humanos(Lei nº 7.037/2009) e prevenção de violências contra crianças e adolescentes ( Lei nº
13.010/2014); estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena (Lei nº 11.645/2008); a educação
alimentar e nutricional (Lei nº11.947/2009); o processo de envelhecimento, o respeito e a valorização do
idoso( Lei nº 10.741/2003); a educação ambiental( Lei nº9.795/99 ); a educação para o trânsito( Lei
nº9.503/97).

* Chefe DEPE:
Juliete Alves dos Santos Linkowski
* Contato:
Micheline Barros e Marlon Mülhbauer
Telefone: (47) 3627-4500 / E-mail: micheline.barros@ifsc.edu.br e marlon.mulhbauer@ifsc.edu.br
* Nome do Coordenador do curso:
Ana Paula Pupo Correia
Telefone: (47) 3627 4522 / E-mail: ana.pupo@ifsc.edu.br / 40 h – DE
http://lattes.cnpq.br/6542859300034894

31. Avaliação da aprendizagem:
Conforme Regulamento Didático-Pedagógico do IFSC,2014, Art. 102. O resultado da avaliação será
registrado em valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez)
§ 1º O resultado mínimo para aprovação em um componente curricular é 6 (seis).
§ 2º Ao aluno que comparecer a menos de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária
estabelecida no PPC para o componente curricular será atribuído o valor 0 (zero).
§ 3º O registro parcial de cada componente curricular será realizado pelo professor no diário de
classe na forma de valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez).
§ 4º A decisão do resultado final, pelo professor, dependerá da análise do conjunto de
avaliações, suas ponderações e as discussões do conselho de classe final.
§ 5º A avaliação será realizada, em cada componente curricular, considerando os objetivos ou
competências propostos no plano de ensino
A avaliação será processual e diagnóstica e formativa acompanhando o desempenho e
desenvolvimento do aluno na constituição das competências e habilidades requeridas para o exercício
profissional com cidadania, numa constante prática de ação-reflexão-ação, de todos os elementos
envolvidos no processo ensino-aprendizagem.
Os instrumentos de acompanhamento do processo de ensino aprendizagem dentro dessa
perspectiva serão organizados através de projetos, provas, apresentação oral, portfólios, pesquisa teórica e
de campo, trabalhos em grupo, seminários, defesas de trabalhos, atividades de laboratório, entre outros.
As avaliações serão registradas no diário de classe, sendo analisadas conjuntamente com os
alunos e devolvidas a eles, no prazo máximo de 15 (quinze) dias após sua aplicação. (Art. 96 Regimento
Didático- Pedagógico, 2014).

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker5-srv1.appdocker5-inst108/08/2020 00:09