Projeto Político Pedagógico

O Técnico de nível médio em Eletrotécnica, formado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Campus Avançado Geraldo Werninghaus, deve possuir espírito crítico, ser capaz de assimilar novos conhecimentos na área tecnológica, ter capacidade de liderança e trabalho em grupo, estando habilitado a desempenhar as funções que lhe serão atribuídas.
O Técnico em Eletrotécnica deverá apresentar, após conclusão da seqüência curricular mínima e do estágio aprovado, as competências profissionais gerais da área profissional da Indústria, previstas na Resolução CNE/CEB nº. 04/99 de 05 de maio de 1999.
Em consonância com essas diretrizes, o perfil de conclusão do técnico compreende as habilidades necessárias para atender ao setor industrial, na área de Eletrotécnica , de acordo com o que contempla a matriz curricular do curso.

Ver PPC

- Elaborar e interpretar projetos elétricos;
- Planejar e executar serviços de manutenção elétrica e eletrônica;
- Elaborar desenhos técnicos de projetos elétricos;
- Atuar em laboratório na execução de ensaios técnicos;
- Especificar e dimensionar materiais e equipamentos pertinentes à área;
- Supervisionar e controlar a qualidade da produção e dos serviços pertinentes à área;
- Executar a montagem de sistemas eletroeletrônicos;
- Prestar assistência a profissional de nível superior da área, incumbindo se de cálculos, desenhos, instalações, especificações e orçamentos;
- Auxiliar profissionais de nível superior na realização de pesquisa científica e tecnológica;
- Coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na instalação, na produção e na manutenção na área;
- Aplicar normas técnicas de saúde e segurança no trabalho e de controle de qualidade no processo industrial;
- Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas em projetos, em processos de fabricação, na instalação de máquinas e equipamentos e na manutenção industrial;
- Elaborar planilha de custos de fabricação e de manutenção de máquinas e equipamentos, considerando a relação custo/benefício;
- Aplicar métodos e processos na logística de produção, instalação e manutenção;
- Aplicar técnicas de medição e ensaios visando à melhoria da qualidade de produtos e serviços da planta industrial;
- Comunicar-se de forma adequada por escrito e oralmente;
- Atuar de forma responsável nas questões ligadas ao meio ambiente.

A proposta do Curso Técnico Subsequente em Eletrotécnica é formar técnicos capazes de lidar com os desafios inerentes à profissão e despertar o espírito crítico e a consciência socioambiental. Assim, a metodologia de trabalho é baseada na disseminação do conhecimento como ferramenta de crescimento pessoal e profissional, de forma que o discente possa superar suas dificuldades e identifique-se com as atividades da profissão.

Há uma preocupação com a trajetória que o discente deverá seguir a fim de obter o diploma de técnico, com o intuito de promover a interdisciplinaridade e trabalhar temas transversais ao longo do curso, como meio ambiente, segurança no trabalho, integração entre diferentes culturas, meios sociais, étnicos e de comportamento, dentre outros.

Considerando a necessidade de reforçar as atividades práticas, procurou-se aumentar as horas de aulas práticas e definir, já no projeto de curso, qual é a carga horária prática estimada. Assim, procura-se desenvolver o espírito inovador nos discentes, sempre buscando um equilíbrio entre a teoria e a prática. Além das atividades práticas das diversas unidades curriculares, o discente desenvolverá, no último semestre do curso, o Projeto Integrador, no qual deverá resgatar vários conhecimentos adquiridos em semestres anteriores e pesquisar novos a fim de desenvolver um projeto em grupo. A proposta é que o grupo de estudantes escolha um dentre alguns temas da área de Eletrotécnica e possa desenvolver o projeto buscando: agregar novos conhecimentos, desenvolver o espírito científico, pesquisar novas tecnologias, efetivar um projeto prático, dimensionar componentes e dispositivos, entre outros. Ao final, o grupo apresentará o resultado do projeto a uma banca de professores e poderá divulgar seu trabalho nos eventos abertos à comunidade oferecidos pelo campus, como a Semana Nacional de Ciências e Tecnologia e a Semana do Curso Técnico.

Além das atividades em sala de aula, aulas práticas e projeto integrador, o discente participará em diversas atividades paralelas ao curso, dentro e fora do campus, como visitas técnicas, participação em feiras e seminários e apresentação dos projetos nos eventos abertos à comunidade. Dessa forma, o Curso Técnico Subsequente em Eletrotécnica pretende disseminar o conhecimento científico e tecnológico, abrindo as portas do campus para que a comunidade conheça as atividades realizadas pelos estudantes.

Prof. Eduardo Evangelista – eduardo@ifsc.edu.br

(47) 3276-9614

Prof. Aldo Zanella Junior – azanella@ifsc.edu.br

(47) 3276-9615

A avaliação do processo ensino-aprendizagem é realizada através de diferentes ferramentas de acompanhamento de apropriação de competências, pela observação das atividades individuais e em grupo, exercícios orais e escritos, avaliações escritas com e sem consulta ao material de apoio, atividades de pesquisa de conceitos, atividades de pesquisa em grupo, seminários, desenvolvimento de artigos, atividades práticas, visitas técnicas, elaboração de relatórios, dentre outras. A metodologia de avaliação aplicada a cada unidade curricular é aberta, atendendo às especificidades da unidade e à vivência de cada docente. A cada avaliação é atribuído um conceito, que leva à atribuição do conceito final da unidade entre A, B, C e D. O discente será considerado Aprovado na unidade curricular se conseguir conceito final A, B ou C, além de ter freqüência igual ou superior a 75% da carga horária prevista, conforme legislação.

Em caso de não atingir a frequência mínima na unidade curricular ou obter conceito D, o discente será considerado Reprovado. O discente poderá avançar ao próximo módulo, mas não poderá cursar as unidades que tiverem pré-requisitos, caso tenha sido reprovado na unidade que é o pré-requisito ou ainda não a tenha cursado. Caso o estudante reprove novamente na unidade que é pré-requisito para as próximas, poderá adiantar unidades curriculares que não tiverem pré-requisitos dos módulos posteriores.

Durante o semestre letivo, haverá dois momentos de avaliação em grupo, denominadas Reuniões de Avaliação. Aproximadamente na metade do semestre, acontecerá a Reunião de Avaliação participativa, momento de discussão e reflexão do desempenho em grupo e individual dos estudantes, com ênfase nos aspectos qualitativos, como questionamentos, interesse, participação, desempenho individual, interação com colegas e outros. Esta reunião acontece com a presença dos estudantes, que fazem um balanço do processo ensino-aprendizagem sob a sua perspectiva. Paralelamente acontece uma avaliação qualitativa dos docentes e da equipe pedagógica por parte dos discentes, a fim de que haja uma discussão posterior e conseqüente reflexão sobre as atividades realizadas até então. A Reunião de Avaliação Final acontece após o término do semestre letivo e objetiva a discussão acerca dos resultados obtidos ao final do processo e decisão acerca do aproveitamento individual de cada estudante e propostas de mudanças ou melhorias no processo.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker4-srv1.appdocker4-inst106/07/2022 09:38