Projeto Político Pedagógico

Executa levantamentos e coletas de dados espaciais.
Implanta no campo projetos de sistemas de transporte, obras civis, industriais e rurais.
Elabora produtos cartográficos a partir de fotos terrestres, aéreas e imagens de satélite.
Analisa dados espaciais.
Utiliza ferramentas de geoprocessamento.
Cria modelos de fenômenos ambientais.
Define consultas relacionadas aos fenômenos mapeados para geração de relatórios e mapas temáticos.
Presta assistência técnica na compra, venda e utilização de equipamentos especializados.
Coordena e supervisiona a execução de serviços técnicos.
Realiza perícias técnicas.
Organiza, executa e supervisiona levantamentos topográficos e mapeamentos.

Atividades de mapeamento e levantamento topográfico, de comercialização de equipamentos e
instrumentos específicos da função, de aerolevantamentos. Entidades ambientais. Atividades de logística e
distribuição de cargas. Forças Armadas. Concessionárias de serviços públicos e agências reguladoras.
Atividade autônoma.

Aplicar a legislação e as normas técnicas vigentes.
Identificar superfícies e sistemas de referência, projeções cartográficas e sistemas de
coordenadas.
Planejar serviços de aquisição, tratamento, análise e conversão de dados
georreferenciados, selecionando técnicas e ferramentas adequadas utilizando softwares específicos.
Executar levantamentos e processamentos de dados por técnicas fotogramétricas.
Organizar e supervisionar equipes de trabalho para aquisição de dados georreferenciados.
Identificar os diferentes sistemas de sensores remotos, seus produtos, suas técnicas de
tratamento e de análise de dados.
Elaborar mapas a partir de dados georreferenciados, utilizando métodos e equipamentos
adequados.
Utilizar softwares específicos para aquisição, tratamento e análise de dados
georreferenciados.
Identificar tipos, estrutura de dados e aplicações de um sistema de informações geográficas.
Identificar tipos, propriedades e funções de mapas.
Conhecer a topografia aplicada ao georreferenciamento.
Dominar técnicas de representação cartográfica.
Interpretar as formas de relevo e suas denominações, elementos de vegetação e
hidrografia.
Executar a locação para implantação de obras de infraestrutura.
Realizar análises espaciais avançadas através de software de geoprocessamento
Dominar as técnicas de levantamento e processamento de dados a partir de laser scanner
Dominar as técnicas de levantamento e processamento de dados a partir de sensores
embarcados em Aeronaves Remotamente Pilotada - RPA (drones).

A metodologia para guiar o desenvolvimento pedagógico do curso será através de aulas expositivas dialogadas, aulas práticas, em laboratórios e em campo. Todas essas práticas pedagógicas levarão em conta a interdisciplinaridade, o desenvolvimento do espírito científico e a formação integral do estudante.O Curso Técnico em Geoprocessamento tem sua matriz curricular organizada em Unidades Curriculares e seu processo de avaliação, centrado no desenvolvimento de conteúdos que permitam atingir os objetivos destas UC. Este método requer dos professores a busca de metodologias diferenciadas das tradicionais que visam apenas a transferência de conhecimentos, para outras que promovam a construção e a criação de conhecimentos. O uso de novas tecnologias é outro fator que possibilita o desenvolvimento das habilidades explícitas em cada unidade curricular, entre elas a de aprender a aprender, possibilitando assim a formação do estudante, além do período em que ele permanece no curso. Considerando que o curso se propõe a que o estudante atinja objetivos formativos em cada unidade curricular as questões pedagógicas estarão direcionadas a metodologias dinâmicas centradas no aprendiz, enquanto agente de seu processo formativo, o que implica, necessariamente, incluir variadas atividades e recursos didáticos, tais como o desenvolvimento de projetos e situações problemas do mundo produtivo. Os conteúdos explicitadas em cada unidade curricular estão bem consolidadas para a concretização dos objetivos que o estudante deverá atingir ao longo de sua formação. Os trabalhos em equipe, os estudos de caso e outras metodologias previstos em cada unidade curricular, serão empregadas para possibilitar a construção e criação de novos conhecimentos e a aquisição de novos valores, comprometidos com os direitos universais do homem. As visitas técnicas serão práticas frequentes que possibilitarão ao estudante uma visão inicial da estrutura e do funcionamento de uma empresa e estarão presentes em várias unidades curriculares, principalmente na parte final do curso. As unidades curriculares teóricas serão desenvolvidos em salas de aula e em laboratórios quando se tratar de atividades de demonstração. As unidades curriculares práticas serão ministradas em laboratórios específicos, e em campo para realização de atividades práticas, como por exemplo: levantamentos de campo comprometido com a preservação do meio ambiente, simulação, realização de projetos ou mesmo pesquisas técnicas, cujos resultados serão expressos em forma de relatório, onde desenvolverão a capacidade de expressão oral e escrita e/ou através de plantas de desenho. No desenvolvimento das unidades curriculares de cada semestre do curso os estudantes participam de um trabalho integrado que permite a inter-relação dos conteúdos que estão sendo ministrados. Assim, de forma individual ou em pequenos grupos, os estudantes são desafiados a encontrar soluções a problemas que podem ser resolvidos com o uso das geotecnologias. O estágio curricular não será obrigatório no Curso Técnico em Geoprocessamento, conforme prevê este projeto de curso, porém, se o estudante desejar realizá-lo, seguirá a regulamentação institucional específica.

Nome do Coordenador/proponente do curso:
Flavio Boscatto, flavio.boscatto@ifsc.edu.br, (48) 3211-6061

Contatos:
Ângelo Martins Fraga, angelofraga@ifsc.edu.br, (48) 3211-6061
Elódio Sebem, elodio.sebem@ifsc.edu.br, (48) 3211-6061
Guilherme Braghirolli, guilherme.braghirolli@ifsc.edu.br, (48) 3211-6061

Segundo Luckesi (2002) avaliar é o ato de diagnosticar uma experiência, tendo em vista reorientá- la para produzir o melhor resultado possível. O mesmo autor destaca que o ato de avaliar tem seu foco na construção dos melhores resultados possíveis, enquanto o de examinar está centrado no julgamento de aprovação ou reprovação. A avaliação no processo de construção do conhecimento deve ser um instrumento que possibilite a identificação do desenvolvimento do estudante e que forneça elementos para orientações necessárias, complementações, enriquecimento, no processo. O parâmetro para a avaliação será naturalmente aquilo que se definiu alcançar. É certo que, para isso, é preciso definir as evidências da aprendizagem realizada ou o nível de conhecimento atingido de acordo aos objetivos do curso. A avaliação ocorrerá durante o processo de ensino, sobretudo por se tratar de um curso com diversas atividades práticas em ambiente computacional e sendo assim, possível o acompanhamento do desenvolvimento do estudante no alcance dos objetivos propostos de tal forma que o egresso possa construir seu conhecimento a fim de poder exercer a sua profissão com qualidade, expressando sua cidadania e demonstrando capacidade de olhar de forma abrangente os problemas a serem resolvidos. Para tanto deverão ser avaliados e quantificados os níveis em que os estudantes estão no atendimento aos objetivos das unidades curriculares e no desempenho de suas atividades. Os instrumentos de avaliação estão identificados em cada unidade curricular de forma a atender tanto ao Regulamento Didático Pedagógico (RDP) do IFSC como a formação profissional definida do perfil do egresso. Recorda-se também que o processo de avaliação tem também o processo de recuperação, pois durante esse processo é possível identificar itens a serem trabalhados tanto do lado do aluno quanto dos docentes. Durante o processo avaliativo os estudantes que não atingirem o mínimo necessário para aprovação nas unidades curriculares poderão recuperar os estudos com a realização de novas atividades pedagógicas no decorrer do período letivo, que possam promover a aprendizagem. As atividades pedagógica de recuperação ocorrerão no momento posterior as avaliações com o objetivo de permitir ao aluno seu caminhar ao longo das unidades curriculares que estiver cursando, não sendo um ato de exame final como era de costume a anos atrás. O resultado da avaliação será registrado pelo professor, no sistema acadêmico, em valores inteiros de 1 (um) a 10 (dez), sendo que o resultado mínimo para aprovação em uma unidade curricular é 6 (seis). Os conselhos de classe que serão realizados para o Curso Técnico em Geoprocessamento farão diagnóstico sobre a avaliação do processo de ensino-aprendizagem, de tal forma que se possa analisar os resultados obtidos pelos estudantes e se possa tomar decisões sobre a prática educativa indicando melhorias que permitam a recuperação de conteúdos e notas.

Referência bibliográfica: Luckesi, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem na escola e a questão das representações sociais. EccoS Revista Científica, vol. 4, núm. 2, dezembro, 2002, pp. 79-88 Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker3-srv2.appdocker3-inst206/07/2022 11:21