Projeto Político Pedagógico

É um profissional que deverá possuir além do conhecimento técnico científico adquirido, iniciativa e liderança para coordenar profissionais no desempenho das atividades ligadas a área de mecânica. Pretende-se que esse profissional possa ainda: 1. Coordenar equipes de trabalho para atuar no desenvolvimento e na manutenção de sistemas mecânicos, aplicando métodos e técnicas de gestão administrativa e de pessoas; 2. Elaborar projetos, leiautes, diagramas e esquemas correlacionando-os com as normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos; 3. Realizar testes, ensaios, medições e inspeções em sistemas e componentes mecânicos, registrando os resultados obtidos para análises posteriores; 4. Atuar na operação de máquinas e equipamentos mecânicos; 5. Avaliar as características e propriedades das matérias primas correlacionando-as com seus fundamentos matemáticos, físicos e químicos para a aplicação nos processos de controle de qualidade; 6. Projetar melhorias nos sistemas convencionais de produção e nas instalações, propondo incorporação de novas tecnologias. 7. Prestar assistência a profissional de nível superior da área, incumbindo-se de cálculos, desenhos, instalações, especificações e orçamentos; 8. Auxiliar profissionais de nível superior na realização de pesquisa científica e tecnológica; 9. Aplicar normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho; 10. Aplicar normas técnicas e especificações de catálogos, manuais e tabelas em máquinas e equipamentos e na manutenção industrial; 11. Elaborar planilha de custos de fabricação e de manutenção de máquinas e equipamentos, considerando a relação custo/benefício; 12. Comunicar-se de forma adequada por escrito e oralmente; 13. Atuar de forma responsável nas questões ligadas ao meio ambiente. 14. Contribuir para a formação humana, crítica e ética de cidadãos e profissionais, buscando responder às necessidades e complexidades do mundo contemporâneo e, mais especificamente, do mundo do trabalho; 15. Promover o desenvolvimento do educando enquanto agente social, capaz de atuar nas diferentes esferas sociais de forma consciente, crítica e autônoma, e de continuar aprendendo ao longo da vida; 16. Possibilitar a reflexão sobre as práticas de trabalho, estabelecendo relações com a ciência, a cultura e a tecnologia e suas implicações para a educação profissional e tecnológica; 17. Possibilitar reflexões acerca dos fundamentos científicotecnológicos da formação humana e técnica, relacionando teoria e prática nas diversas áreas do saber; 18. Contribuir para a promoção da democratização do ensino e elevação do nível de qualificação profissional.

O Técnico Integrado em MECÂNICA do Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais é o profissional com competências e habilidades para prestar serviços nas áreas de planejamento, gestão, manutenção e produção mecânica, de forma crítica, criativa, cooperativa e com consciência de seu papel social. Além disso, poderá atuar como auxiliar nas áreas de engenharia e administração da produção mecânica, entre outras. Os trabalhadores deste grupo de base desempenham, geralmente sob direção técnica superior, tarefas de caráter técnico, relacionadas com projetos de construção, montagem, manutenção e reparo de equipamentos de funcionamento mecânico. Suas funções consistem em: auxiliar em trabalhos de pesquisa e aperfeiçoamento de máquinas-ferramentas, motores, veículos, aeronaves, embarcações, instalações e equipamentos de funcionamento mecânico; preparar estimativas detalhadas das quantidades e custos dos materiais e mão de obra necessários à execução dos projetos; auxiliar na aplicação das normas de organização e métodos, orientando estudos de tempos e movimentos e de racionalização dos postos de trabalhos; executar esboços e desenhos de sua especialidade; supervisionar o controle de equipamentos mecânicos; proceder a testes de controle dos materiais e produtos, nos locais de produção ou em laboratório especializado; aplicar seus conhecimentos teóricos e práticos de mecânica, para identificar e resolver problemas que surjam no decurso de seu trabalho. 

1. Opera máquinas e equipamentos mecânicos. 2. Auxilia no projeto de peças e equipamentos mecânicos. 3. Fabrica componentes e equipamentos mecânicos. 4. Realiza a manutenção mecânica em máquinas e equipamentos. 5. Atua no controle de qualidade dos processos produtivos. 6. Compreender e utilizar as formas contemporâneas de linguagem, para o exercício da cidadania e à preparação para o trabalho, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; 7. Ler, articular e interpretar símbolos e códigos em diferentes linguagens e representações, 8. Compreender a sociedade, sua gênese e transformação e os múltiplos fatores que nela intervêm como produtos da ação humana e do seu papel como agente social que intervém na realidade; 9. Refletir sobre os fundamentos científico tecnológicos dos processos produtivos, articulando conhecimentos das diversas áreas do saber, relacionando teoria e prática para estabelecer estratégias tecnológicas de solução; 10.Dominar as ferramentas básicas da informática; 11.Assumir postura profissional, relacionando-se de forma ética no trabalho e no convívio social, inclusive com o meio ambiente; 12.Desenvolver iniciativa, liderança e capacidade empreendedora, criatividade, autonomia, responsabilidade, capacidade de trabalho em equipes multidisciplinares.

O Curso Técnico Integrado em Mecânica tem sua matriz curricular organizada em Módulos didáticos totalizando 3700 horas. O curso está previsto para ser desenvolvido em 6 semestres letivos, com aulas nos turnos matutino e vespertino. Devido à multidisciplinaridade da atuação do profissional da área de mecânica, as práticas pedagógicas almejarão a articulação, relacionamento e construção de conhecimentos de diferentes unidades curriculares, sempre relacionando com a realidade local. Será estimulado o diálogo entre os conhecimentos da área da mecânica para a formação integral do profissional em questão. Nesse processo, o papel do professor será o de mediador, tendo como objetivo propiciar o exercício contínuo e contextualizado dos processos de mobilização, articulação, reelaboração e aplicação do conhecimento. As principais metodologias utilizadas para este fim serão aulas expositivas dialogadas, aulas práticas em laboratórios, além da realização de trabalhos em equipe, visitas técnicas, estudos de casos e seminários. Outras metodologias semelhantes também serão empregadas para possibilitar a construção e criação do conhecimento, valores e o desenvolvimento de novas competências. Como uma forma de inserir o aluno no mundo do trabalho e propor uma vivência mais consistente na área serão realizadas aulas práticas de laboratório, onde o aluno tem a possibilidade de visualizar a aplicação dos conhecimentos teóricos adquiridos em sala de aula. Do mesmo modo, as visitas técnicas e viagens de estudo são atividades que se realizam em ambientes extraescolares, como empresas, indústrias, entidades e instituições públicas e privadas, museus e outros espaços que permitam a ampliação dos conhecimentos sobre temas e conteúdos trabalhados em sala de aula. Caberá aos professores, nos planos de ensino das unidades curriculares, definir a metodologia e as formas de avaliação de cada visita. As atividades práticas serão ministradas em 7 laboratórios específicos, ou seja: de fabricação, de sistemas térmicos, de sistemas hidráulicos e pneumáticos, de materiais, de informática, de metrologia, de soldagem. Seminários poderão ser organizados com a participação de convidados especialistas nos temas que serão apresentados e debatidos pelos alunos e professores. Além disso, a postura profissional necessária a execução das atividades dentro dos padrões de higiene e segurança exigidos pelo mercado, em virtude da sua relevância, serão trabalhadas como temas transversais dentro da sala ou na execução das atividades em laboratórios. No intuito de possibilitar a integração dos temas trabalhados nos módulos, adotar-se-á a estratégia de trabalho integrado entre as unidades curriculares do núcleo de fabricação (desenho, metrologia, processos de fabricação), de modo a definir um conjunto atividades que perpassem os módulos e integrem os conhecimentos trabalhados nas Unidades Curriculares específicas. A cada semestre serão definidas atividades que farão parte destas unidades curriculares e em todos semestres letivos de modo a gerar um produto e/ou equipamento que oportunize a interdisciplinariedade ao longo do curso. As questões relacionadas ao meio ambiente, além de parte integrante de diversas unidades curriculares em todos os semestres letivos, serão tratados como tema transversal por todos os docentes em suas práticas cotidianas. Cada unidade curricular poderá utilizar até 20% da sua carga horária na modalidade de ensino à distância (EaD), de acordo com a Resolução 06 de 20 de setembro de 2012 que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio, capítulo 26, parágrafo único, “através das suas diversas formas e metodologias de trabalho, permitindo que o discente possa desenvolver além das habilidades e competências técnicas, também a sua autonomia, capacidade de tomada de decisão e organização profissional”.

Responsáveis: Prof. Cássio Aurélio Suski, cassio.suski@ifsc.edu.br
Prof. Taylor Soares Rosa, taylor@ifsc.edu.br 

A avaliação faz parte do ato educativo, do processo de ensino e de aprendizagem. É fundamental que a avaliação deixe de ser um instrumento de classificação, seleção e exclusão social e se torne uma ferramenta para a construção coletiva dos sujeitos e de uma escola de qualidade. A avaliação será processual e diagnóstica, acompanhando o desempenho e desenvolvimento do aluno na constituição das competências e habilidades requeridas para o exercício profissional com cidadania. Ocorrendo, dessa forma, numa constante prática de ação-reflexão-ação, de todos os elementos envolvidos no processo educacional, consistindo em um conjunto de ações que permitam recolher dados, visando à análise da constituição das competências por parte do aluno, previstas no plano de curso. Suas funções principais são: • Obter evidências sobre o desenvolvimento do conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias à constituição de competências, visando à tomada de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino e de aprendizagem e/ou a progressão do aluno. • Estabelecer previamente, por unidade curricular, critérios que permitem visualizar os avanços e as dificuldades dos alunos na constituição das competências. Os critérios servirão de referência para o aluno avaliar sua trajetória e para que o professor tenha indicativos que sustentam tomadas de decisões sobre o encaminhamento dos processos de ensino e de aprendizagem e a progressão dos alunos. A proposta pedagógica do curso prevê atividades avaliativas que funcionam como instrumentos colaboradores na verificação da aprendizagem, contemplando os seguintes aspectos: adoção de procedimentos de avaliação contínua e cumulativa; prevalência dos aspectos qualitativos; inclusão de
atividades contextualizadas; manutenção de diálogo permanente com o aluno; consenso dos critérios de avaliação a serem adotados e cumprimento do estabelecido. Conforme Resolução nº 41, de 20 de novembro de 2014, que aprova o Regulamento Didático Pedagógico - RDP, no seu artigo art. 96, a avaliação da aprendizagem terá como parâmetros os princípios do PPI e o perfil de conclusão do curso definido neste PPC. Nesse sentido, a avaliação dos aspectos qualitativos compreende o diagnóstico, a orientação e a reorientação do processo de aprendizagem, visando à construção dos conhecimentos. Sendo assim, os instrumentos de avaliação serão diversificados e deverão constar no plano de ensino do Unidade Curricular, estimulando o aluno a: pesquisa, reflexão, iniciativa, criatividade, laborabilidade e cidadania. O registro da avaliação será efetuado considerando as diretrizes constantes no RDP da instituição. Para a aprovação em cada uma das unidades curriculares o aluno deverá apresentar frequência mínima de 75% da carga horária total da unidade curricular, conforme prevê o Regulamento Didático Pedagógico vigente. O resultado da avaliação final será registrado por valores inteiros de 0 (zero) a 10 (dez). O resultado mínimo para aprovação em uma unidade curricular será 6 (seis). No regime de matrícula seriada o aluno reprovado até duas unidades curriculares poderá ser matriculado no período seguinte desde que cumpra concomitantemente os componentes curriculares em regime de pendência e esta matrícula terá prioridade. Ressalta-se que, segundo o RDP, a decisão do resultado final, pelo professor, dependerá da análise do conjunto de avaliações, suas ponderações e as discussões do conselho de classe final. Conforme o artigo 103, o conselho de classe é uma instância diagnóstica e deliberativa sobre a avaliação do processo de ensino e de aprendizagem. O curso prevê dois conselhos de classe por semestre, conforme o Regulamento Didático Pedagógico (conselho intermediário e conselho final), com a presença obrigatória dos professores, que devem trazer registros qualitativos dos processos de ensino e de aprendizagem. Sendo que o conselho intermediário será participativo ou representativo dos alunos e será feito encaminhamentos para melhoria dos processos educacionais. O conselho final será realizado ao término do período letivo. Os procedimentos para a efetivação da matrícula serão realizados conforme às disposições do Regulamento Didático Pedagógico, no tocante aos cursos com regime de matrícula por unidade curricular.

Baixar Arquivo
SIGAA | DTIC - Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - (48) 3877-9000 | © IFSC | appdocker1-srv1.appdocker1-inst113/08/2020 07:39